CBN - Míriam Leitão - Dia a Dia da Economia

CBN - Míriam Leitão - Dia a Dia da Economia

Brazil

Análise diária dos principais fatos da economia com uma das mais importantes e influentes jornalistas do país. De segunda a sexta, às 8h25 e às 12h34.

Episodes

Em semana conturbada, Bovespa subiu 3%  

O presidente Michel Temer enfrentou um forte protesto que terminou em confusão na capital federal. Diante da violência, ele convocou o Exército, mas recuou no dia seguinte após a repercussão negativa.

Cada dia que passa, só aumentam indícios de caixa 2 para a chapa  

Julgamento do TSE sobre a chapa Dilmar-Temer só ganha mais provas. Políticos só conversam sobre o período pós-Temer. No meio econômico, analistas esperam que os juros caiam na reunião do Copom da semana que vem. Economistas alertam que abandonar agenda de reformas é perigoso, mas reconhecem que presença de Temer na presidência não é essencial.

Manifestação no Distrito Federal teve erros em todos os lados  

O presidente Michel Temer se equivocou ao chamar o Exército para proteger a Esplanada dos Ministérios. A situação, no entanto, saiu do controle quando alguns manifestantes depredaram o patrimônio público. A ação foi completamente desmedida e os organizadores devem se explicar.

Base admite que não há clima para aprovar nada  

Por mais correta que seja a medida, não é a hora. A discussão é sobre quanto tempo dura o governo Temer e se ele chega ao final. Presidente tenta se segurar e uma das formas e passar uma falsa imagem de normalidade. Enquanto isso, a oposição faz o papel dela e tenta barrar qualquer votação, mas mostra uma indignação seletiva.

Brasil tem encontro marcado com a agenda de reformas e não adianta fugir  

A agenda de reformas é importante, fundamental, mas que é difícil de ser tratada. O assunto foi muito mal trabalhado perante a opinião pública. O Brasil tem um encontro marcado com essa agenda de reformas e não adianta fugir. É importante reorganizar o gasto público. Nesse momento politicamente está difícil reunir as condições.

Acordo com Joesley mostra putrefação do ambiente político, mas levanta questões sobre imunidade para empresário  

CVM prevê processo rápido para apurar o caso do grupo JBS, dos empresários Joesley e Wesley Batista. A partir do resultado, o procurador-geral da República Rodrigo Janot pode pedir outras punições aos delatores.

Incertezas refletem nos indicadores financeiros e atrapalham previsões de economistas  

Com as incertezas aumentando no país e refletindo em todos os indicadores de mercado financeiro, os analistas não conseguem fazer as previsões com os dados da economia. No final do mês, será a reunião do Copom, mas já não há um consenso.

Delação 'superpremiada' da JBS trouxe duras críticas à Lava-jato  

Processo de combate à corrupção cometeu um erro ao fechar acordo que beneficia tanto os delatores. Vantagens ainda terão que ser discutidas.

Agendas de reformas devem ficar em pé mesmo com governo fraco  

As mudanças são necessárias não pelo governo de Michel Temer, mas sim pelos indicadores ruins da economia. Elas devem ser adotadas por qualquer que seja o governante.

Aprovação de PEC no Congresso neste momento seria demonstração de força  

Já era difícil garantir os votos necessários, agora ficou mais ainda. Apesar de data ter sido mantida na Câmara, sempre há possibilidade de adiar em caso de possível derrota. A questão é: os parlamentares estão comprometidos com as reformas necessárias apesar do momento de fraqueza do governo?

Michel Temer ouviu confissão de um crime e ficou calado  

O teor da conversa com Joesley Batista deveria ter sido relatado ao Ministério Público. Não faz sentido que não haja punição aos crimes cometidos.

Mercado quer uma solução rápida, mas dentro da Constituição  

Permanência de Temer no cargo teve efeito negativo sobre o humor dos investidores. Momento da política é muito conturbado e se o empresário não vê horizonte, se assusta.

Governo de Michel Temer acabou com delação da JBS  

Não há possibilidade de reconstituir qualquer confiança que existia. Com a falta de apoio entre os eleitores, o peemedebista construiu a estratégia de ter apoio entre os políticos. O erro cometido por Temer foi muito grande. Um presidente da República não pode receber em casa uma pessoa investigada em três operações diferentes.

A pergunta é: quanto tempo ainda vai durar o governo Temer?  

Vai ter impeachment? Vai ter renúncia? Temer perdeu a capacidade de continuar presidente. A economia estava se recuperando, mas já não há mais certeza sobre indicadores econômicos.

Houve confusão entre público e privado no setor de carnes  

O BNDES deixou o dinheiro do empréstimo nas mãos da JBS para fazer outras compras. As operações foram avaliadas e várias irregularidades foram apontadas. A empresa é familiar e não há razão para ter tantos benefícios e intervenções do Estado.

Situação do emprego está piorando menos, mas mudança é muito devagar  

Mudança de perspectiva depende da confiança do empresário. Por isso, ainda não há melhora.

Sinais apontam que ciclo da recessão se aproxima do fim  

Os resultados negativos, mesmo que lentamente, começaram a se alternar, como aconteceu com a previsão do PIB no primeiro trimestre. As vagas de empregos, no entanto, ainda não são criadas na velocidade necessária para que o país saia da crise.

Esse ano deve ser de resultados positivos para a economia, mas nada grande e forte  

O mais aflitivo continua sendo o desemprego, porque a taxa não tem um sinal de melhoria no curto prazo. O percentual de pessoas sem trabalho vai cair em algum momento do ano, mas não deve ser uma grande queda.

Economia vai se recuperar lentamente e com dados positivos e negativos  

A prévia do PIB feita pelo Banco Central subiu 1,12% no trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado. É o primeiro dado positivo depois de oito trimestres de recuo. Em março, no entanto, houve queda de 0,44%.

O que foi agenda de ministro e o que foi desvio de função?  

Guido Mantega é acusado de manter reuniões com empresários, mas isso é normal para quem é titular da Fazenda. A questão é qual assunto foi tratado. Defesa dele na Lava-jato é muito difícil, mas é preciso haver provas. Se alguém acusa ter recebido ‘recadinhos’, tem que apresentar esses papéis.

0:00/0:00
Video player is in betaClose