CBN - Míriam Leitão - Dia a Dia da Economia

CBN - Míriam Leitão - Dia a Dia da Economia

Brazil

Análise diária dos principais fatos da economia com uma das mais importantes e influentes jornalistas do país. De segunda a sexta, às 8h25 e às 12h34.

Episodes

Leis trabalhistas nunca atingiram todos os trabalhadores  

Dados divulgados pelo IBGE revelam que 1,5 milhão de pessoas não saem dos empregos porque têm algum tipo de dívida com o empregador. A situação é absurda e não se restringe apenas ao trabalho rural.

Reforma trabalhista propõe uma terceira forma de desligamento do empregado  

Hoje em dia, ele pode ser demitido ou pedir demissão, mas texto oferece a possibilidade de demissão negociada, que permite ao trabalhador sacar até 80% do saldo do FGTS depositado pela empresa se pedir para sair, e ainda terá direito a 20% de multa rescisória. A reforma pode fortalecer sindicatos mais atuantes, já que a negociação será cada vez mais necessária. Por outro lado, mudanças não garantem maior formalização do trabalho.

Governo errou na comunicação com a reforma da Previdência  

A reforma da Previdência não está indo bem, já que foram feitas muitas concessões. O princípio da reforma inicialmente era buscar a igualdade. O governo errou na comunicação desde o começo. O governo não conseguiu passar o que queria fazer. Não soube dizer quem realmente seria beneficiado ou prejudicado com a reforma. No caso da reforma Trabalhista foram feitas algumas mudanças que fazem sentido.

Chacina no Mato Grosso ameaça o processo civilizatório do país  

A morte de nove trabalhadores rurais sem-terra passa pela questão da disputa de território e é um assunto social, econômico, político e civilizatório. O tema levanta uma discussão profunda sobre o Brasil. Segundo a Pastoral da Terra, a cada ano, são registrados ao menos 1.500 casos de conflitos de terra, e, nos últimos dez anos, 362 pessoas foram mortas por este motivo. Não podemos tratar o assunto como pontual.

Não se pode usar fundo de pensão como se fosse um braço do Estado  

Os fundos de pensão tiveram um rombo de mais de R$ 70 bilhões. Isso é preocupante porque se trata da aposentadoria e da poupança de brasileiros. O rombo cresceu porque tem uma crise econômica afetando a rentabilidade. Não se pode usar fundo de pensão como se fosse um braço do Estado para fazer um investimento que não seria viabilizado de outra forma.

O grande problema da Previdência brasileira é a desigualdade  

Cada vez que se mexe um pouco no texto, se cria uma desigualdade ainda maior. Cada exceção é uma nova confusão.

Acesso ao FGTS apesar de demissão voluntária é uma excelente notícia  

Modelo atual causa uma distorção entre o bom empregado, que deixa a empresa por receber uma oferta melhor, mas sem direitos, e o mau empregado, que é demitido e recebe todos os direitos. Reforma trabalhista quer mudar essa relação, além da contribuição sindical obrigatória e a jornada parcial. Entenda o que pode mudar:

Mesmo após concessões, a reforma da Previdência ainda consegue economizar  

Com a nova regra, o governo perde 177,5 bilhões em dez anos, mas ainda economiza R$ 615,5 bilhões. O percentual da perda é de cerca de 20%.

Juros podem continuar em queda, mas Copom mostra que recessão ainda é forte  

A ata do Comitê revelou que há um alto nível de ociosidade na economia brasileira. A produção das fábricas do país continua abaixo do esperado. Também há a conclusão que a desinflação tem um efeito permanente. O documento mostra que a Taxa Selic pode recuar ainda mais e fechar o ano em 8,5%.

Dados IBC-Br foram muito melhores do que esperava o mais otimista dos analistas  

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central é uma espécie de prévia do PIB. A notícia é boa, mas deve ser vista com cautela. O país permanece em crise. Os empresários ainda reportam dificuldades de recuperar os resultados e o desemprego permanece alto. Ainda não é a retomada do crescimento.

Empresários reclamam do desempenho do primeiro trimestre  

Alguns já acreditam que o período foi decepcionante e esperavam mais. Em algumas áreas, a recuperação econômica ainda está muito devagar ou até mesmo negativa. O otimismo precisa ser cauteloso. A prévia do PIB aponta que a economia creceu 1,31% em fevereiro.

Delações já afetaram a tramitação das reformas  

As denúncias tornaram o governo muito mais permeável às pressões para mudanças que tornem as reformas mais aceitáveis. O governo está frágil e vai propor mudanças muito impopulares, apesar de necessárias. A tendência é de que, por isso, ceda muito mais.

Momento traz dificuldades, mas o país é corajoso ao enfrentar a corrupção  

Todos os casos e detalhes que vieram à tona com a abertura das delações premiadas assustam e decepcionam. Mas não podemos deixar de pensar que é uma chance de reconstruir o Brasil. É preciso considerar que a Lava-jato é um sucesso e serve como exemplo de uma apuração efetiva, com resultados.

Corrupção explica a ineficiência da economia brasileira  

No capitalismo, é importante que haja uma competição entre as empresas, não apenas a concorrência pública, mas a relativa ao mercado. É essa dinâmica que mostra quem vai ser mais eficiente e a que vai tornar os custos das obras menor. Muitas vezes criticamos medidas tomadas por Guido Mantega, quando havia uma distorção que beneficiava uma empresa ou setor. No entanto, não podíamos imaginar que por trás disso era o próprio ministro negociando pagamento de propina.

Temer está certo ao dizer que governo não pode ficar paralisado  

O presidente Michel Temer disse hoje que o governo não pode ficar paralisado. Na verdade, essa é a decisão certa. Pelo menos, essa é a fala certa. A lista do Fachin é enorme e deixa todo mundo indignado, mas ao mesmo tempo é importante lembrar que eles não são réus. Eles são investigados. Podem se tornar réus ou não. O processo da Justiça é lento. Existe uma diferença entre o tempo da Justiça e o da política.

Precisamos saber como a política vai lidar com o tempo da Justiça  

O que alimentava a melhora na economia era a confiança na capacidade do governo de implantar reformas. Com lista, o setor pode sair perdendo. No entanto, o impacto na política será ainda maior.

Sindicatos precisam ter legitimidade aumentada  

O dinheiro que chega pelo imposto sindical distorceu as funções das entidades para os trabalhadores. Anos atrás, muitos sindicatos realmente representavam os interesses da categoria, especialmente na região do ABC Paulista.

Reforma da Previdência é questão de necessidade  

No entanto, reforma pode ser aprovada com tantas mudanças que será preciso fazer outra logo em seguida. Oposição deveria estar torcendo para que seja aprovada porque qualquer reforma torna o governo impopular.

Banco Central está em uma situação confortável para baixar juros  

A reunião do Copom começa amanhã e na quarta-feira deve sair a definição da taxa básica de juros. A expectativa de corte é de um ponto percentual. O Banco Central está em uma situação confortável. A inflação está baixa e com uma tendência de ficar mais baixa. O Banco Central pode reduzir os juros para mais do que um por cento. Isso é possível porque as condições permitem.

Com inflação baixa e economia recessiva, o BC poderia ser mais agressivo no corte de juros  

Se continuar nesta toada, apenas no segundo semestre vai ser possível uma taxa de juros de menos de um dígito, numa economia recessiva. É demais. Se o Banco Central não for rápido, ele pode aumentar juro real.

0:00/0:00
Video player is in betaClose