Episodes

'Aumento da contribuição patronal não é um dinheiro a mais'  

Apesar disso ter sido pintado com uma notícia boa, o percentual de 28% que será pago pelos patrões vai ser bom para a Previdência, mas vai continuar faltando dinheiro para a Saúde e Educação.

Governo se mobiliza para aprovar de alíquota de 14% de contribuição previdenciária  

Medida é necessária para reduzir fluxo negativo no orçamento do estado, já que 65% do déficit vêm da Previdência. Crise política envolvendo o governo Temer, no entanto, pode atrasar a regularização da situação financeira do Rio.

Economia do Rio tem uma luz no fim do túnel  

Acordo federal ajuda estado. Situação política, no entanto, ainda é imprevisível. Isso gera incertezas para a próxima eleição.

Contas da cidade do Rio continuam provocando controvérsia  

Mesmo que a situação não esteja tão ruim quanto Crivella diz, ou tão bom quanto Paes anunciou, a cidade precisa de recursos. Em 8 anos, Paes não alterou a estrutura do IPTU. Além disso, os aposentados e pensionistas do Rio são os únicos que não fazem nenhum tipo de contribuição.

Passar três anos sem pagar dívida com a União é empurrar o problema com a barriga  

Projeto pode dar algum alívio ao Rio de Janeiro e gera a possibilidade de discutir melhor as medidas na Alerj. Mas a dívida com a União vai continuar crescendo.

O problema da crise do RJ é uma falta total de liderança  

É importante constatar que os dirigentes estão buscando alternativas, como a negociação das dívidas dos estados, mas isso não vai ser suficiente. As folhas de pagamentos dos servidores continuam sendo uma questão sensível e o adiantamento do ICMS é um cobertor curto a longo prazo.

Se o Congresso não aprovar projeto de recuperação fiscal, a tragédia do Rio não tem saída  

A intervenção federal pode ser tornar inevitável, mas o Congresso não pode aprovar a medida ao mesmo tempo em que discute a reforma da Previdência. Apesar de situação do Rio ser dramática, há prioridades nacionais.

Mesmo que projeto de recuperação fiscal seja aprovado, Rio ainda terá problemas  

No entanto, também não adianta não fazer ajustes nas contas e esperar que venha uma intervenção federal. Não virá.

Caixa da Prefeitura do Rio não está como o do estado, mas inspira cuidados  

Entre 2008 e 2015, Eduardo Paes contou com o crescimento de 53,3% do ISS e de 11% do IPTU, o que o deixou em uma situação confortável. No entanto, entre 2015 e 2016, o IPTU cresceu 5% e o ISS caiu 11%. Com isso, Crivella vê que, em meio a uma crise sem prazo para terminar, a maior receita do município caiu.

Se não sairmos deste nó envolvendo as dívidas do estado, o Rio vai falir de vez  

Não podemos pensar que haja uma solução só para o Rio. O estado já foi beneficiado no período das grandes obras, por causa da Olimpíada, mas agora não da mais.

Pesquisa de instituto do Senado mostra que a situação fiscal do Rio é a mais dramática do país  

O estudo é da Instituição Fiscal Independente, um órgão novo criado pelo Senado Federal. A despesa é 15% maior que a receita. Além disso, a dívida do estado também é muito alta.

Discutir fim de isenções fiscais será fundamental  

Brasil é um país que beneficia muito a idade de aposentadoria do trabalhador e a reforma da Previdência é necessária, mas não é a única saída.

Bloqueio das contas do governo do Rio é constitucional  

A autorização anterior, dada pela ministra Cármen Lúcia, poderia dificultar a situação do Tesouro. O arresto não foi maldade, mas as tropas militares poderiam ter ficado mais tempo para garantir a segurança durante o carnaval.

Quem não tem dívidas para quitar deve guardar o dinheiro do FGTS  

Já quem preferir optar por aplicações financeiras deve ficar atento à taxa de administração cobrada pelo banco. Geralmente elas são muito altas e acabam corroendo parte dos resultados do correntista.

Não tem plano B para tirar o Rio do seu ‘inferno astral’  

Não há alternativa para um estado que gasta mais do que arrecada e que tem uma Previdência explosiva. Um grande problema é que, deferente de outros estados em crise, o Rio só tem um único ativo para negociar: a Cedae. Estado quer que STF permita que estado se endivide mais, descumprindo a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Rio deve demorar mais do que outros estados para se recuperar  

O desemprego é uma realidade no Brasil inteiro, mas a crise do governo do RJ atrapalha ainda mais. A maldição do petróleo tem culpa nisso.

Rio de Janeiro jogou fora uma oportunidade única  

O estado desperdiçou a oportunidade do petróleo com uma péssima gestão econômica. Agora, é claro que é preciso captar algo novo para cobrir o rombo e por isso, algumas propostas do governo fazem sentido.

Condição básica para negociação é ter salários em dia  

Sob a perspectiva de não receber vencimentos, é melhor receber menos, mas receber em dia. O corte de despesas na ordem de R$ 9 bilhões no orçamento do estado deve pesar muito no governo. O servidor não tem culpa pela crise, mas não há muitas alternativas.

Governo comemora queda da inflação, mas ignora recessão  

Mesmo assim, queda no preço dos alimentos é alívio no bolso dos servidores do estado.

Antes da lei de responsabilidade, governantes não tinham compromissos com gastos  

O descontrole gerava inadimplência e dificuldades para os sucessores de cargos executivos.

0:00/0:00
Video player is in betaClose