Episódios

  • Nesta entrevista gravada online, num evento organizado pela associação sem fins lucrativos Academia Cidadã, conversamos com Paulo Pena, jornalista e fundador do Investigate Europe e autor de “Fábrica de Mentiras. Uma viagem ao mundo das fake news”. Falamos sobre a indústria das notícias falsas em Portugal, o papel do jornalismo na propagação e no combate à desinformação, a regulação das plataformas digitais e as eleições estadunidenses da próxima semana. Ouve aqui.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Os Açores são a região mais pobre e  mais desigual de Portugal. A 25 de outubro de 2020, os açorianos votam nas Eleições Legislativas Regionais. Em antecipação, entrevistamos Fernando Diogo, sociólogo e professor na Universidade dos Açores.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Estão a faltar episódios?

    Clique aqui para atualizar o feed.

  • B-Fachada, cantautor e multinstrumentalista, reflete regularmente sobre a democracia, a política e a organização social de Portugal, da Europa e do mundo. Nesta entrevista fala sobre tudo isto, e ainda sobre o 25 de abril, a história Portuguesa, e o papel da música de intervenção nesta.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Miguel Bragança preside ao Colégio da Especialidade de Psiquiatria da Ordem dos Médicos, desde 2018, é psiquiatra no Hospital de São João e professor auxiliar convidado na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Nesta entrevista, gravada no início de junho, fala sobre a psiquiatria no Sistema Nacional de Saúde e no terceiro setor, olha para a saúde mental em tempo de pandemia e analisa as profundas desigualdades de acesso a tratamento psiquiátrico e psicológico, em Portugal.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Na convenção do partido de extrema-direita Chega, realizada em Évora, no fim-de-semana de 19 e 20 de setembro, Rui Roque, militante da distrital do partido no Algarve, antigo militante do PNR e da Aliança, levou a votação uma moção em que defendia, entre outros pontos, o seguinte: “Todas as mulheres que abortem no Serviço Público de Saúde, por razões que não sejam de perigo imediato para a sua saúde, cujo bebé não apresente malformações ou tenham sido vítimas de violação, devem ser retirados os ovários, como forma de retirar ao Estado o dever de matar recorrentemente portugueses por nascer, que não têm quem os defenda no quadro atual.”

    A proposta foi votada e discutida, tendo sido amplamente rejeitada (dos 254 delegados, só 38 votaram a favor). O debate tornou-se público, extravasou as linhas ideológicas internas do partido.

    Na semana seguinte, um vídeo começou a percorrer  a internet, chega aos programas da manhã e ninguém fala de outra coisa senão da rapariga a fazer sexo num comboio. Ela não estava só, havia dois rapazes também. Mas o foco foi ela, a sua conduta, o seu hipotético comportamento desviante, os seus alegados problemas emocionais e de desenvolvimento.
    O caminho de emancipação feminina é longo e tortuoso. O tempo em que, em Portugal, uma mulher precisava de autorização do marido para viajar ou para sair do país, não foi assim há tanto tempo.

    Hoje recordamos uma conversa publicada em abril de 2017, com Maria João Pires, ativista, uma das autoras do projeto Mulher Não Entra, sobre o quanto se andou para conseguir que as mulheres pudessem abortar sem serem criminalizadas e como a luta pela igualdade é um caminho com muitos contratempos. 

    Fiquem com a entrevista. 

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Passados 47 anos do golpe de Estado de 11 de setembro 1970, no Chile, que matou o presidente Salvador Allende, relembramos uma entrevista feita há mais de dois anos a Zillah Branco, a mulher que viveu todas as revoluções: da ditadura militar, no Brasil, ao regime socialista de Allende, no Chile, destruído pelo ditador Augusto Pinochet; do 25 de Abril de 1974, à eleição de Lula da Silva, ex-presidente brasileiro. Ouve a conversa aqui.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Na semana passada, organizámos o Ask Me Anything Fumaça de setembro. Tivemos como convidada a jornalista e romancista Alexandra Lucas Coelho, que viajou várias vezes pelo Médio Oriente nas últimas duas décadas: pela Palestina, Líbano, Iraque, Afeganistão, Síria, entre outros países, e publicou várias reportagens e livros escritos desde lá. Entre eles Oriente Próximo, publicado em 2007, Caderno Afegão, de 2009, ou Tahrir!, de 2011.

    O Ask Me Anything é um programa mensal exclusivo para a comunidade Fumaça. Não é uma entrevista, não é uma reportagem, é uma conversa; um espaço onde as pessoas que nos apoiam podem fazer perguntas e falar com alguém especialista num tema, de maneira informal, sem grande preparação ou pesquisa. Hoje publicamos, pela primeira vez, o resultado de um desses Ask Me Anything, para que possas entender de que se trata. 

    Se quiseres poder fazer parte dos próximos, considera apoiar-nos financeiramente para que continuemos a fazer o nosso trabalho. Neste momento, já mais de 30% das nossas despesas são pagas por um grupo cada vez maior de pessoas como tu. Ajuda-nos a fazer do Fumaça o primeiro projeto de jornalismo português totalmente financiado por quem nos ouve, vê e lê. Vai a www.fumaca.pt/contribuir

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Três anos após o Estado ter concessionado milhares de quilómetros de subsolo à petrolífera Australis, Maria Celeste descobre que querem fazer um furo prospeção de gás natural à porta de sua casa, em Aljubarrota, Alcobaça. Nunca a avisaram. Longe dos olhares, os terrenos já tinham sido vendidos. O que deixaram na região as petrolíferas que, durante décadas, procuraram petróleo e gás no Oeste?

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Hoje republicamos uma entrevista gravada há mais de dois anos, em março de 2018, mas que podia ter sido feita ontem. É certo que alguns números estão datados; os atores políticos mudaram e o contexto internacional é outro. Mas há uma constante – Portugal é um país pobre, com demasiada gente pobre, olhe-se para que indicador estatístico se olhar. 

    Os dados mais recentes do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, em 2019, sobre rendimentos do ano anterior, mostram que 17,2% da população estava em risco de pobreza em 2018. Trocando por miúdos, significa que, anualmente, dispunham de menos de 6 014 euros para viver - ou seja, 501 euros por mês.

    O risco de pobreza diminuiu para os reformados e para famílias sem crianças quando comparados com os dados de 2017, mas aumentou para empregados e desempregados.
    Sem pensões, reformas e outros apoios sociais (como subsídios de desemprego, incapacidade para o trabalho, apoio à família ou rendimento social de inserção) 43,4% da população residente em Portugal estaria em risco de pobreza em 2018. 

    Para se perceber de forma mais aproximada a realidade da pobreza calcula-se um outro indicador, chamado “taxa de risco de pobreza ou exclusão social”, que analisa quanto ganham as pessoas, se estão em idade de trabalhar e têm ou não trabalho e a sua capacidade para aceder a um conjunto de bens e serviços. Em 2018 e 2019 a taxa risco de pobreza ou exclusão social foi de 21,6% são dois milhões duzentas e quinze mil pessoas.

    Mas o que significam e como são calculados estes dados? O que mostram e o que escondem? Foi sobre isto que em 2018 falámos com Carlos Farinha Rodrigues, doutorado em Economia e professor universitário no ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão. Queríamos perceber os efeitos da crise financeira de 2008, perceber quem mais tinha perdido, quem realmente a tinha pago. Hoje, em plena pandemia, presos entre uma crise de saúde pública e uma crise económica e social ainda no seu começo – para julho de 2020, a estimativa provisória do INE é de que haja 409.700 pessoas desempregadas, atirando a taxa de desemprego para 8.1%. São mais 39.400 pessoas do que em junho e mais 74 mil que em julho de 2019 – vale a pensar outra vez sobre as origens da pobreza e da desigualdade no nosso país.
    Fiquem com a entrevista. 

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Esta entrevista foi realizada durante a preparação e edição da peça “Dois Pontos - James Baldwin. Ninguém sabe o meu nome.”, onde podem ouvir-se excertos da conversa. Aqui, encontram a entrevista na totalidade. 

    Flávio Almada, também conhecido por LBC, é rapper, membro da Plataforma Gueto, um coletivo antirracista, e da Associação Cultural Moinho da Juventude, um projeto comunitário sediado na Cova da Moura, na Amadora.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Ao longo de anos, empresas prestadoras de serviços e multinacionais fizeram crescer nas suas explorações agrícolas no sudoeste alentejano autênticas aldeias de contentores. Quatro paredes metálicas com poucas dezenas de metros quadrados servem de casa para centenas de imigrantes. Muitos são mal pagos, precários, e têm pouca ou nenhuma proteção social. No debate “Exploração da gente para a exploração da terra”, gravado ao vivo no Festival Política, em Lisboa, conversámos com Inês Cabral, que fez uma tese de mestrado sobre a receção e o impacto da imigração no concelho de Odemira, e Inês Fonseca, porta-voz do movimento Chão Nosso.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Figura incontornável da pedopsiquiatria e da psicanálise em Portugal, António Coimbra de Matos dedicou grande parte da sua vida a tentar entender a depressão. Em entrevista, fala sobre a relação das doenças mentais com a família e o trabalho. Esta entrevista integra uma grande reportagem sobre saúde mental e prevenção do suicídio que publicaremos no futuro.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Hoje publicamos a segunda parte da entrevista a Agostinho Costa, Major-General, antigo segundo Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, sobre segurança e forças de segurança públicas e privadas. Se não ouviste a primeira parte, que publicámos ontem, pára aqui e vai ouvir, será mais fácil entenderes o que vais ouvir de seguida.

    Entre muitas outras funções militares, o também mestre em Relações Internacionais pela Universidade Lusíada de Lisboa, comandou a Escola de Tropas Paraquedistas e chefiou o Gabinete de Planeamento e Programação do atual Instituto Universitário Militar. Aqui, ajuda-nos a perceber como se tornou o setor da segurança privada o maior corpo de segurança do país e para onde nos leva este caminho.

    Sabe mais aqui: https://bit.ly/2PFMORn 

    Esta entrevista foi realizada no âmbito de uma investigação sobre segurança privada apoiada através de uma bolsa de investigação jornalística atribuída pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 2018. O contrato pode ser consultado aqui.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Hoje, publicamos a primeira entrevista, parte de uma série que estamos a preparar há mais de um ano e de que nunca vos tínhamos falado. Chegou o momento: nos próximos meses, vão ouvir-nos falar sobre segurança privada. Se pensarem bem, estas e estes profissionais estão por todo o lado: nos hipermercados, nos centros comerciais, nos hospitais e centros de saúde, nos transportes públicos, nas estações de comboio e de autocarros, nos aeroportos, nas repartições de finanças, da segurança social ou do centro de emprego. Mas quem vigia os vigilantes?

    Sabiam que este setor privado é, no seu conjunto, o maior corpo de segurança do país? Há 45 mil pessoas no ativo, das 58 mil autorizadas a trabalhar, a quem o Ministério da Administração Interna atribuiu cartão profissional. Se olharmos com atenção, há menos efetivos no conjunto dos três ramos das Forças Armadas Portuguesas (36 357, máximo autorizado, em 2020) ou na soma do total de efetivos dos corpos da PSP (20.977, em 2019) e da GNR (23.022, em 2018). Que ligações existem entre os mundos da segurança privada, as forças de segurança e o exército?

    Nos último ano, conversámos com dezenas de vigilantes. O que nos contaram fui muito mais grave do que imaginávamos: de precariedade laboral e bullying corporativo, a práticas ilegais e violentas por parte de vigilantes ou grandes empresas do setor. Porque é que isto acontece? Que papel tem o Estado em tudo isto? Como foi criado este exército de precários?

    É por isto e por muito, muito mais que estamos há meses a trabalhar nesta nova série. Mas, antes, e porque a realidade é muito complexa, achamos que deviam ouvir esta entrevista, feita num registo mais cru do que as habituais. Em maio passado, entrevistámos Agostinho Costa, Major-General, antigo segundo Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, ex-Chefe do Estado-Maior da European Rapid Operational Force e Membro do Grupo de Reflexão Estratégica sobre Segurança. Na qualidade de investigador, co-coordenou, com o professor Nelson Lourenço, o livro “Estratégia de Segurança Nacional - Portugal Horizonte 2030”, lançado em 2018. 

    É uma conversa longa, por isso a publicaremos em duas partes – dividas entre hoje e amanhã – mas que vos dará o contexto e as bases teóricas sobre o que é isto da segurança, que papel têm as empresas de segurança privada na sociedade e quais são e devem ser as funções do Estado quando falamos do uso legal da força. 

    Sabe mais aqui: https://bit.ly/2PFMORn 

    Esta entrevista foi realizada no âmbito de uma investigação sobre segurança privada apoiada através de uma bolsa de investigação jornalística atribuída pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 2018. O contrato pode ser consultado aqui.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Na última década, vários dos chamados “gestores de topo” portugueses têm sido, um a um, afastados das suas funções por alegada má gestão e corrupção, entre outras razões – umas mais legais que outras. De Zeinal Bava e Ricardo Salgado a António Mexia. Como se explica que tantos líderes das maiores empresas portuguesas caiam do pedestal?

    Esta entrevista faz parte de uma investigação Fumaça que procura responder à pergunta: “O que faz com que uma pessoa esteja mais perto do poder?”. 

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Como qualquer cidadão, uma pessoa presa tem direito a trabalhar e não pode ser obrigada a fazê-lo, se assim não o desejar. No entanto, na maioria dos casos, não recebe o mesmo pelo mesmo trabalho feito por uma pessoa livre. Longe disso. “Há pessoas presas que trabalham sete a oito horas por dia, em linhas de produção, têm hierarquia e recebem 60 euros por mês. O trabalho mais bem pago dentro da prisão não chega a cinco euros por dia – e é o Estado português que paga”, diz Marco Ribeiro Henriques, jurista e investigador em Direitos Humanos, Direito penal e Política Criminal, com especial foco no trabalho prisional e na condição das mulheres presas. 

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Republicamos a segunda reportagem sobre o Bairro 6 de Maio, originalmente publicada em outubro de 2018. 

    Segundo dados dos Censos, existiam 20.460 barracas no país, em 1991. A larga maioria situava-se na região da Grande Lisboa (12.212), do Grande Porto (1.311) e na Península de Setúbal (1.101), e as restantes estavam espalhadas pelo país. O alojamento precário foi elevado a problema nacional e o governo de então pôs em marcha um programa que prometia resolvê-lo: “nunca tão grandes incentivos foram preparados para os municípios enfrentarem, com a colaboração do governo, o problema das barracas”, dizia o então primeiro-ministro Cavaco Silva. E reforçava que “programas como este não se resolvem com discursos nem com palavras fáceis”. Assim foi: em 1993, criou-se o Programa Especial de Realojamento (PER), que pretendia erradicar todos os bairros de barracas das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

    O plano era ambicioso. Hoje, passados mais de 25 anos da sua apresentação, continua por cumprir. Das 48.416 famílias sinalizadas, 11.126 ficaram por realojar, o que significa que apenas 72% do programa foi executado. Com atrasos constantes na implementação, as famílias e os bairros foram crescendo, o que criou mais problemas. Segundo dados do Levantamento Nacional das Necessidades de Realojamento Habitacional de fevereiro de 2018, apenas 20 dos 27 municípios concluíram o programa. Bairros como o 6 de Maio, na Amadora, seguem em luta por alternativas dignas de habitação, mais de duas décadas depois da promessa.

    O que aconteceu às famílias realojadas? Para onde foram viver? Que tipo de casas lhes foram oferecidas? Que condições têm os bairros para onde os municípios as encaminharam? Que famílias estão ainda por realojar? Quem vive hoje nos terrenos onde os bairros de barracas existiam? Quem detém os terrenos e quem ganhou à custa da retirada destas pessoas?

    “Bairros PERdidos” é uma das campanhas de crowdfunding que relançámos a semana passada. Nesta investigação Fumaça, vamos perceber como correram os processos de demolição, realojamento e construção de bairros pertencentes ao PER e ao Estado português, desde 1993. Se acreditas na importância do jornalismo de investigação e queres continuar a ouvir peças do Fumaça, vai a fumaca.pt/crowdfunding e ajuda-nos a atingir o objetivo.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Republicamos a primeira reportagem sobre o “Bairro 6 de Maio”, originalmente lançada em abril de 2018. 

    Segundo dados dos Censos, existiam 20.460 barracas no país, em 1991. A larga maioria situava-se na região da Grande Lisboa (12.212), do Grande Porto (1.311) e na Península de Setúbal (1.101), e as restantes estavam espalhadas pelo país. O alojamento precário foi elevado a problema nacional e o governo de então pôs em marcha um programa que prometia resolvê-lo: “nunca tão grandes incentivos foram preparados para os municípios enfrentarem, com a colaboração do governo, o problema das barracas”, dizia o então primeiro-ministro Cavaco Silva. E reforçava que “programas como este não se resolvem com discursos nem com palavras fáceis”. Assim foi: em 1993, criou-se o Programa Especial de Realojamento (PER), que pretendia erradicar todos os bairros de barracas das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

    O plano era ambicioso. Hoje, passados mais de 25 anos da sua apresentação, continua por cumprir. Das 48.416 famílias sinalizadas, 11.126 ficaram por realojar, o que significa que apenas 72% do programa foi executado. Com atrasos constantes na implementação, as famílias e os bairros foram crescendo, o que criou mais problemas. Segundo dados do Levantamento Nacional das Necessidades de Realojamento Habitacional de fevereiro de 2018, apenas 20 dos 27 municípios concluíram o programa. Bairros como o 6 de Maio, na Amadora, seguem em luta por alternativas dignas de habitação, mais de duas décadas depois da promessa.

    O que aconteceu às famílias realojadas? Para onde foram viver? Que tipo de casas lhes foram oferecidas? Que condições têm os bairros para onde os municípios as encaminharam? Que famílias estão ainda por realojar? Quem vive hoje nos terrenos onde os bairros de barracas existiam? Quem detém os terrenos e quem ganhou à custa da retirada destas pessoas?

    “Bairros PERdidos” é uma das campanhas de crowdfunding que relançámos a semana passada. Nesta investigação Fumaça, vamos perceber como correram os processos de demolição, realojamento e construção de bairros pertencentes ao PER e ao Estado português, desde 1993. Se acreditas na importância do jornalismo de investigação e queres continuar a ouvir peças do Fumaça, vai a fumaca.pt/crowdfunding e ajuda-nos a atingir o objetivo.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • É uma militante anti-fascista de 92 anos que esteve, durante a ditadura, cerca de duas décadas na clandestinidade. Em conjunto com o seu companheiro, o artista José Dias Coelho, criou uma oficina de falsificação de documentos para os camaradas do partido, incluindo Álvaro Cunhal, eleito líder do Partido Comunista Português em 1961, já depois de ter fugido da prisão de Peniche, um ano antes. Durante a década de 1950, os lares de Margarida e José foram dos mais importantes núcleos de resistência ao fascismo. Ficar em casa e apenas sair “para fazer coisas inadiáveis” foi exatamente a sua vida, durante duas décadas.

    Há pouco mais de dois meses, no final de abril, o Ricardo Esteves Ribeiro telefonou a Margarida Tengarrinha. Ela disse-lhe: “Oh Ricardo, eu sou das pessoas menos afetadas com isto, tive vários anos de prática!” Estava saudável, com energia e até voltou a pintar.
    Recorda a entrevista que hoje republicamos e que foi gravada ao vivo, no evento de comemoração do segundo aniversário do Fumaça.

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

  • Corria abril de 2019, quando lançamos a reportagem “Bolsonaro, um mito em crise permanente”. Procurávamos explicar as origens do “mito” como passaram a chamar a Jair Bolsonaro, presidente do Brasil. 

    O caos parecia ser a estratégia do Bolsonarismo: a cada semana um novo escândalo, uma nova nova demissão ou troca de pastas. A Covid-19 só veio confirmar isso de forma mais clara. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o país é o segundo com mais casos confirmados – 1,344,143 pessoas infectadas até 30 de junho – e onde já se contam 57.622 mortes. Pior, só os Estados Unidos da América, chefiados por Donald Trump, que Bolsonaro idolatra.

    Vale a pena relembrar como um político praticamente irrelevante e sem currículo, com um histórico de declarações racistas, machistas, homofóbicas, que nega a ditadura e defende torturadores, conseguiu chegar ao Palácio do Planalto.
    Ouçam agora o episódio dois desta reportagem feita pelo Danilo Thomaz, a partir do Brasil. 

    Support the show: https://www.patreon.com/fumaca

    See omnystudio.com/listener for privacy information.